WhatsApp Image 2022-08-05 at 16.26.24.jpeg
WhatsApp Image 2022-08-05 at 16.26.46.jpeg
  • Instagram
  • facebook

Sobre a Campanha

“Não podemos banalizar as doenças cardiovasculares”
 

Embora sejam a principal causa de mortalidade no Brasil desde a década de 601 , as doenças cardiovasculares e metabólicas ainda são negligenciadas pela maioria da população. Falta de adesão adequada ao tratamento, dificuldades em manter mudanças no estilo de vida e até desconhecimento sobre os fatores metabólicos de risco para as doenças cardiovasculares são situações marcantes no País. “Vivemos uma banalização das doenças cardiovasculares e metabólicas no Brasil”, explica José Francisco Kerr Saraiva, diretor de Promoção de Saúde Cardiovascular da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC/Funcor). “As pessoas temem o câncer, mas não levam a sério, muitas vezes, as doenças que mais matam no País”, completa.

 

Pensando nisso, a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), com o apoio da Novartis, Bayer e AstraZeneca, acaba de lançar a campanha “Parou por que? O tratamento das doenças cardiovasculares e metabólicas não pode parar”, um projeto inédito para levar informação aos pacientes de doenças cardiovasculares e metabólicas sobre a importância da adesão ao tratamento. “É fundamental que o paciente perceba que ao falar em tratamento não podemos nos ater apenas ao uso do remédio”, completa Celso Amoedo, presidente da SBC. “Nós sabemos que a mudança no estilo de vida, também abandonada durante o período da pandemia, é indispensável para o controle do paciente e sucesso do tratamento”, completa.

 

Uma pesquisa recente realizada pela Novartis em parceria com a Minds4Health, empresa de pesquisa e consultoria especializada no segmento de Healthcare, revelou, por exemplo, que apenas 41% das pessoas que afirmaram ter recebido o diagnóstico de colesterol alto de um médico, continuavam utilizando o medicamento para controlar sua condição. “Quando você extrapola isso para atividade física e alimentação controlada, indispensáveis para o tratamento juntamente com a medicação, então, a situação é ainda mais desanimadora”, destaca Amoedo.

 

Segundo Saraiva, o objetivo da campanha “Parou por que?” é levar informações para a população de maneira rápida e eficiente, com maior foco justamente nas mídias digitais. Para isso, a campanha se valeu da presença do ator Ary Fontoura, uma estrela nas redes sociais, que já conta com mais de três milhões de seguidores no Instagram de todas as idades. “O Ary não parou na pandemia, seu crescimento no meio digital se deu justamente neste período. Queremos alertar que nunca há motivos para deixar de lado o controle das doenças cardiovasculares e metabólicas e lembrar o simples fato de que elas matam mais que o câncer no Brasil”, alerta Saraiva.

 

Referências:

1. Ribeiro ALP, Duncan BB, Brant LCC, Lotufo PA, Mill JG, Barreto SM. Cardiovascular health in Brazil: trends and perspectives. Circulation. 2016;133(4):422-33. doi: 10.1161/CIRCULATIONAHA.114.008727.» https://doi.org/10.1161/CIRCULATIONAHA.114.008727

WhatsApp Image 2022-08-05 at 16.26.24.jpeg
WhatsApp Image 2022-08-05 at 16.26.46.jpeg

INICIATIVA

APOIO

WhatsApp Image 2022-08-05 at 17.44.06.jpeg
WhatsApp Image 2022-08-05 at 17.44.27.jpeg
WhatsApp Image 2022-08-05 at 17.44.17.jpeg

Copyright © 2021 Sociedade Brasileira de Cardiologia. Todos os direitos reservados.